XADREZ: A MATEMÁTICA EM UM TABULEIRO

Atualizado: Mar 3



Surgindo na Índia, no século VI, o xadrez era conhecido como shaturanga, que significa ‘’os quatro elementos de um exército’’, em sânscrito. Em seguida se expandiu para China e Pérsia. O nome Xadrez se provém da palavra shah, que significa rei, em persa.


A atual forma de jogar surgiu na Europa, mais especificamente no Sudoeste, na metade do século XV, depois de ter evoluído das formas de origem antiga chinesa e persa. É um jogo que requer muito raciocínio lógico e estratégia, sem um elemento sorte.


A prática do jogo de xadrez nas escolas é uma atividade que, além de propiciar lazer, também permite valorizar o raciocínio por meio de uma atividade lúdica. O exercício do jogo de xadrez no meio acadêmico permite alcançar, dentre outros, os seguintes objetivos: desenvolver o raciocínio lógico, aprimorar habilidades de observação, reflexão, análise e síntese, aperfeiçoar habilidades e hábitos necessários à tomada de decisões, compreender e solucionar problemas pela análise do contexto geral em que estão inseridos, ampliar os interesses pelas atividades individuais, melhorar o desempenho nos estudos, em particular, em Matemática.




Com a prática do jogo de xadrez, o estudante pode desenvolver um pensamento sistemático e organizado, pois, durante um jogo, a partir das possibilidades de movimento, deve organizar os lances a fim de selecionar a melhor jogada. Desse modo, o processo de seleção de escolha de uma jogada se relaciona com a seleção de informações e conhecimentos desde a idade escolar, permitindo ao indivíduo preparar-se para enfrentar dificuldades futuras.


Segundo Samir Becic, eleito quatro vezes o melhor instrutor de ginástica (“fitness trainer”) dos EUA, a prática do jogo de xadrez pode não ajudar a tonificar o bíceps de um indivíduo, ou fortalecer os músculos abdominais, porém sua saúde mental pode se beneficiar com o exercício continuado dessa atividade. Ainda de acordo com Becic, a prática regular do jogo de xadrez pode trazer os seguintes benefícios para a saúde de uma pessoa:


- Promove o desenvolvimento cerebral: jogos como o xadrez, que exercitam o cérebro, estimulam o crescimento de dendritos - organismos que enviam sinais a partir das células neurais. Com mais dendritos, a comunicação neural, dentro do cérebro, melhora e fica mais rápida;


- Exercita os dois lados do cérebro: um estudo realizado na Alemanha demonstrou que quando se pede a jogadores de xadrez para avaliar posições no tabuleiro e estudar formas geométricas, os dois hemisférios cerebrais, direito e esquerdo, ficam altamente estimulados;


- Aumenta o QI: um estudo realizado com 4000 estudantes da Venezuela demonstrou aumentos contundentes na pontuação do QI, tanto de meninos quanto de meninas, após quatro meses de prática do jogo de xadrez;


- Ajuda a prevenir a Doença de Alzheimer: à medida que a pessoa envelhece, torna-se importante exercitar o cérebro, assim como qualquer outro músculo do corpo, com o objetivo de mantê-lo saudável. Um estudo recente publicado no "New England Journal of Medicine" demonstrou que pessoas com mais de 75 anos de idade que praticam atividades mentais como o xadrez, têm menos probabilidade de desenvolver demência do que idosos que não praticam esse tipo de jogo;


- Aguça a criatividade: jogar xadrez ajuda a liberar a originalidade, uma vez que a prática deste jogo ativa o lado direito do cérebro, aquele responsável pela criatividade. Um estudo realizado nos EUA durante quatro anos analisou grupos de estudantes do 7º ao 9º ano que jogavam xadrez, usavam o computador ou faziam qualquer outra atividade uma vez por semana, por 32 semanas, para ver qual atividade promoveu um maior crescimento no pensamento criativo. O grupo que jogava xadrez teve a pontuação mais alta em todos os graus de criatividade, sendo a originalidade a maior área de ganho;


- Melhora a capacidade de resolver problemas: uma partida de xadrez exige pensamento rápido e solução de problemas em tempo real porque o oponente muda constantemente os parâmetros. Uma pesquisa realizada em 1992 com 450 estudantes do 6º ano na província canadense de New Brunswick mostrou que aqueles que tinham aprendido a jogar xadrez obtiveram pontuação significativamente mais alta em testes padronizados, em comparação com aqueles que não jogavam xadrez;


- Ensina planejamento e melhora a tomada de decisão: uma das últimas partes do cérebro a se desenvolver durante a adolescência é o córtex pré-frontal, área responsável pelo julgamento, planejamento e autocontrole. Por exigir pensamento estratégico e crítico, o xadrez ajuda a promover o desenvolvimento do córtex pré-frontal e ajuda os adolescentes a tomarem decisões melhores em todas as áreas da vida, por vezes impedindo que façam escolhas irresponsáveis e arriscadas;


- Melhora a habilidade de leitura: em uma famosa pesquisa de 1991, o professor norte-americano Dr. Stuart Margulies analisou a performance de leitura de 53 estudantes de uma escola primária do estado de New York que participaram de um programa de treinamento de xadrez e os avaliou em comparação com outros estudantes que não jogavam xadrez. Ele concluiu que jogar xadrez ocasiona um aumento na performance de leitura;


- Propicia melhora da memória: enxadristas sabem que a prática do xadrez melhora suas memórias, principalmente por causa das regras complexas que devem ser lembradas. Bons jogadores de xadrez têm memória excepcional. Uma pesquisa realizada na Pensilvânia com alunos do 6º ano concluiu que os estudantes que nunca tinham jogado xadrez, melhoraram suas memórias e habilidades de comunicação verbal depois que começaram a jogar;


- Acelera a recuperação de um Acidente Vascular Cerebral: o xadrez desenvolve a coordenação motora fina em indivíduos com alguma deficiência física ou que tenham sofrido um AVC ou outro acidente fisicamente debilitante. Essa forma de reabilitação usa a movimentação das peças em diferentes direções a fim de ajudar a desenvolver e afinar a capacidade motora do paciente, enquanto o esforço mental feito durante o jogo pode melhorar a capacidade cognitiva ou de comunicação. Jogar xadrez também estimula a concentração profunda, ajudando a centrar e relaxar pacientes com diversos graus de ansiedade.


(fonte: https://domtotal.com/noticia/1184598/2017/08/xadrez-e-seus-beneficios-no-aprendizado-de-matematica/)



XADREZ E RACIOCÍNIO LÓGICO



Apesar de estar ligado às ciências exatas, em especial à matemática, o raciocínio lógico está presente em todas as áreas do conhecimento e não precisa aparecer apenas em forma numérica. A lógica é usada em tudo que fazemos diariamente.


Muito conhecido por suas vantagens em ajudar o pensamento lógico e a resolução de problemas, o xadrez é uma excelente forma de deixar a mente bastante ativa. Como cada peça tem um movimento diferente, é necessário desenvolver bastante estratégia para vencer. Jogar xadrez, principalmente em alto nível, é uma atividade tão rigorosa que o fundador da Microsoft Bill Gates perdeu um jogo de exibição para o atual campeão mundial, o norueguês Magnus Carlsen, em apenas nove movimentos. Para muitos, essa foi uma surpresa, considerando-se que Bill Gates é um gênio.


Um jogador de xadrez aprende a se concentrar por muito tempo. Em torneios sérios, pode se concentrar por cinco ou seis horas, sabendo que basta apenas um pequeno descuido para perder um jogo. O jogador de xadrez pode ter diversas possibilidades de movimentos, mas tem de identificar o movimento decisivo, que não estará sujeito a problemas e que poderá encaminhar a vitória. Ele avalia padrões que aprendeu nos livros, tais como estratégias de abertura, desenvolvimento do jogo e métodos típicos de atacar o Rei. Aliás, sempre tem de usar estratégias, algumas delas preciosas como o "gambito da dama", em que sacrifica a dama para dar xeque-mate no rei. Os jogadores que não veem as diversas possibilidades que o jogo apresenta não irão ganhar muitas partidas.


(fonte: https://www.conjur.com.br/2020-dez-28/jogar-xadrez-melhora-desempenho-estudantes-advogados)


XADREZ E MATEMÁTICA: A DIVERSÃO EM APRENDER



A primeira relação do xadrez que envolve a matemática está no seu tabuleiro. Os números ‘quadrados’, que nos preocupavam na escola, podem ser facilmente compreendidos ao ver que, neste jogo, 8 linhas e 8 colunas compõem o tabuleiro, resultando em 64 casas jogáveis, valor que é matematicamente a multiplicação de 8 com 8, ou 8 ao quadrado. A partir daí, podemos olhar para o tabuleiro e entender melhor a origem desta operação matemática.


Matemáticos podem se tornar grandes jogadores de xadrez, assim como escritores, biólogos, físicos, químicos ou qualquer pessoa que tenha interesse. A relação entre o xadrez e a matemática existe, mas torna-os independentes durante a partida, que envolve lógica, determinação e muita diversão.


Se a matemática tem participação no xadrez, o mesmo pode ser considerado invertendo-se as posições. Muitas escolas adotam o jogo de xadrez como ferramenta de ensino, estimulando o raciocínio lógico, operações matemáticas e outros fundamentos pessoais e sociais nos alunos. Por se tratar de um jogo que envolve estratégia, muitos jogadores, mesmo que em níveis pouco expressivos, desenvolvem habilidades de percepção de espaço e de tempo, passando a considerar mais e melhor as opções possíveis, assim como adiantá-las. Isso é refletido na vida pessoal e profissional, sendo sempre altamente recomendado a prática do xadrez por pessoas de todas as idades, que, além de tudo, proporciona um momento de lazer muito agradável aos envolvidos.










Adm. Ana Beatriz

Vip Reforço Preparatório

Facebook: https://www.facebook.com/VipReforco

Instagram: https://www.instagram.com/vipreforcopreparatorio/